RH ESTRATÉGICO

Jul-23-2011

ROI = RH pronto para conversar com o CEO
Conhecer o Retorno sobre Investimento também capacita o RH a ser, de fato, estratégico

Por Alexandre Peconick (texto) Foto: Site Sxc.hu

Ouvimos, já com alguma frequência, nos eventos de Recursos Humanos, a frase "RH precisa sentar-se à mesa com o CEO, ou Presidente, para realmente ser estratégico". Outra: "Ser estratégico é entender do negócio". Se tudo isso é verdade e se o CEO vive se debruçando com números à sua mesa e se estes números são temas de reuniões, vale ressaltar que o profissional de RH precisar DOMINAR o conhecimento acerca de números. Deve ter certeza de como usá-los.
Boa parte dessa dor de cabeça em números se traduz pela palavra RETORNO. O dono do negócio ou o CEO da organizações precisa comprovar aos seus diretores, stakeholders e acionistas que aquele investimento trouxe um resultado palpável, o que, sem meias palavras, significa LUCRO.
Em Administração ganha então destaque a sigla ROI, de origem anglo-saxônica, que fala sobre "Return On Investment " ou, em português, "Retorno sobre Investimento". ROI é a relação entre o dinheiro ganho ou perdido através de um investimento, e o montante de dinheiro investido. Trata-se de um cálculo financeiro utilizado para avaliar a eficiência de um determinado investimento, ou comparar diferentes investimentos. Pode ser utilizado por empresas, mas também por investidores privados, servindo como ferramenta de avaliação das diferentes opções de aplicação de capital.
É um rácio popular por ser fácil de calcular, e também pela versatilidade, ou seja, por poder ser aplicado em várias situações, sendo o resultado apresentado sempre em percentagem. Esse resultado deverá ser positivo, para ser justificado o investimento em determinado ativo, até em detrimento de outro. Para o cálculo, terá que ser considerado o ganho obtido, ou previsível, com o investimento realizado, sendo depois deduzidos os custos em que o investidor, ou a empresa, incorreu com essa mesma aplicação. Ou seja, considerando juros de um financiamento, por exemplo. Finalmente, é necessário dividir o resultado pelos mesmos custos com o investimento realizado.
O retorno efetivo serve como medida de avaliação do desempenho de um investimento, o retorno previsto serve como medida ante o desempenho de um investimento, que é a sua taxa implícita, aquela que iguala o valor do investimento do seu preço ou custo. Na publicidade online, ROI também significa retorno do investimento, que é a relação do custo de campanhas de publicidade com o lucro gerado por conversões, como vendas ou leads, o ROI indica o valor ganho por sua empresa em relação ao custo de sua campanha de publicidade. É impossível obter uma medida exata, mas para a avaliação do ROI de uma campanha subtrai-se a despesa com publicidade do valor de sua receita proveniente das vendas e divide-se o resultado pelo total dos custos com publicidade.
No meio empresarial, não difere tanto. Por exemplo, uma empresa adquire uma participação no capital de outra companhia cotada, investindo um total de 5 milhões de euros. Como não tem a totalidade do capital para esse montante, tem de recorrer ao financiamento junto da banca de 4 milhões. O banco cobra-lhe uma taxa de juro anual de 6%. Ou seja, em vez do custo de investimento ser os 5 milhões, o valor aumenta para 5,24 milhões de euros. A aplicação realizada apresenta, ao final de um ano, uma valorização de 15%, com a posição nessa outra empresa a estar, agora, avaliada em 5,45 milhões de euros. Em vez do retorno ser de 15%, este é inferior. Utilizando a fórmula de cálculo [ ( Saldo do Investimento: €5.750.000 - Custo Total do Investimento: 5.240.000 ) / 5.240.000 = 9,73% ], verifica-se que o ROI é de 9,73%.

Ter um "plano de contas" é fundamental

Dentro do RH, o ROI é considerado o processo mais eficaz para medir o resultado do investimento em treinamento. Estrategicamente podemos ter dois procedimentos ao utilizar o ROI: utilizá-lo para medir todas as atividades de treinamento ou somente para medir alguns programas selecionados, por serem mais importantes ou por receberem maior investimento.
A primeira providência para se calcular o ROI é fazer um levantamento dos custos. Para tanto, a empresa deve ter um "plano de contas" e, sempre que possível, um programa informatizado que facilite a coleta de dados e informações sobre os custos do treinamento. Aqui, também, podemos ter dois procedimentos: O primeiro é levantar todos os custos diretos e indiretos que estejam relacionados com as atividades de treinamento. Nesse caso, será relativamente fácil obter os dados na "contabilidade", quando a empresa é organizada por "centros de custo". É possível chegar a detalhes calculando, por exemplo, as horas "não trabalhadas" dos treinandos, os salários dos profissionais de RH/T&D e todas os outros custos da área – total ou rateado. Algumas empresas têm o chamado custo por pessoa empregada que inclui, sob a forma de rateio, salários, impostos, taxas de luz, água e outras despesas. Com este custo, devidamente definido, fica fácil calcular o custo do pessoal envolvido no treinamento.
A segunda opção é considerar somente os custos diretos. Esse procedimento é facilmente viabilizado, principalmente quando a empresa terceiriza o treinamento. Nesse caso, a planilha de custos do treinamento pode ter os seguintes itens: 1) Pagamento a terceiros, dos serviços referentes ao desenvolvimento do treinamento; 2) Pagamento de despesas com transporte e hospedagem; se houver; 3) Pagamento de despesas com recursos instrucionais.
É bom deixar claro que a melhor planilha de custos é aquela que atende as necessidades e objetivos da empresa, e que, para fins de controle e comparação, sua estrutura não seja alterada.

Desafios para os cálculos

A segunda providência, para calcular o ROI, é calcular os Benefícios do Treinamento. Os benefícios precisam ser calculados em reais, o que muitas vezes é complexo. Por exemplo: antes do treinamento ocorriam 10 acidentes e após o treinamento somente dois. Qual o valor estimado do benefício representado pela diminuição de oito acidentes? É até possível calcular as horas paradas e custos com reparos e despesas com o empregado acidentado. Mas como medir os muitos outros benefícios provocados pela redução de acidentes?
Outra dificuldade está em verificar até que ponto o treinamento é responsável pelos resultados alcançados.
Por exemplo: Após o treinamento dos vendedores houve um aumento nas vendas – vendeu-se R$ 100.000,00 a mais. Acontece que, na mesma ocasião, foi feito outro investimento em "promoção de vendas" ou então o maior concorrente faliu. Nesse caso, podemos considerar o aumento das vendas como resultado exclusivo do treinamento?
Para solucionar estas dificuldades temos que optar:

1° - Pela Avaliação de resultados qualitativos e quantitativos.
Podemos, por exemplo, considerar como resultado "quantitativo" do treinamento de vendedores a conquista de 50 novos clientes. Como resultado "qualitativo" podemos citar a melhoria da imagem da empresa, o nível de satisfação dos clientes e muitos outros melhorias.
Hamblin, em 1978, já dizia que nem sempre é possível medir o efeito do treinamento em termos quantitativos e sugeria a utilização conjunta de técnicas quantitativas e qualitativas. Cristina Gomes Palmeira completa afirmando: "Se pessoas motivadas podem produzir mais e melhor, e possivelmente faltam menos, têm menos atrasos e diminuem seu tempo ocioso, percebe-se como é possível quantificar algo que, a princípio, é intangível".(1)

2° - Pelo ROI.
Se a intenção da empresas for realmente avaliar o retorno do investimento, o melhor recurso é o ROI, mesmo havendo dificuldade para identificar, com maior precisão, o que gerou os resultados. Marcos Antônio L. de Oliveira (2) comentando sobre a exatidão da medição, diz o seguinte: "Nem sempre a precisão é essencial. É melhor ter alguma medição, mesmo não tão precisa, do que não ter nenhuma".

Há empresas que calculam freqüentemente os custos do retrabalho, os custo da prevenção e outros custos da não qualidade. O valor correspondente à diminuição destes custos é um resultado que pode ser atribuído ao treinamento ou a outras ações de melhoria. Para maior objetividade na apuração dos resultados e de suas causas, é recomendável consultar os gestores, das áreas em questão, e os profissionais que foram treinados. Essa consulta pode ser feita em reunião com todos os envolvidos no processo, para se chegar a um consenso sobre a avaliação. Isto é relativamente fácil, para as empresas que têm como norma avaliar, de tempos em tempos, seus objetivos estratégicos.
O montante de dinheiro ganho ou perdido pode ser referido como juros, lucros ou prejuízos, ganhos ou perdas ou ainda rendimento líquido ou perdas líquidas. O dinheiro investido pode ser referido como ativo, capital, principal ou custo básico do investimento. O ROI é geralmente expresso como percentagem.
A concretização das estratégias organizacionais de uma empresa está dependente da gestão adequada de projetos, programas e portfólios. Nesse sentido, a responsabilidade financeira aumenta permanentemente e a sua mensuração é obrigatória. Embora hoje, o uso do ROI seja generalizado a todo o tipo de investimentos, o cálculo dele não é "moda" recente. Já em 1920 a Harvard Business Review referia o ROI como a medida de análise essencial para conhecer o valor do resultado de investimento de capital.
O seu conhecimento antecipado tem um impacto importante não só no seio da organização, que gere o processo de investimento, como também junto de potenciais investidores. Para além da "venda" interna e externa do projeto, é fundamental para o seu acompanhamento dando de uma forma clara o impacto no negócio face às metas pré-definidas.
Se RH desenvolver sua capacidade de ver e "saber ler" o que dizem os números, vai ficar muito mais fácil não apenas sentar-se à mesa, como, sobretudo, conversar e trocar valiosas informações com o CEO. Este RH estará pronto para contribuir nos rumos do negócio da organização.

Metodologias de cálculo


O cálculo do ROI possui diversas metodologias, algumas simples, outras nem tanto. Cada metodologia varia em função da finalidade ou do enfoque que se deseja dar ao resultado. A seguir estão algumas das mais conhecidas e facilmente encontradas em livros de Contabilidade, Economia e Finanças.

ROI=(Lucro Líquido÷Vendas)×(Vendas÷Total de ativos)
representa a relação entre a lucratividade e o giro dos estoques.
ROI=Lucro líquido÷Total de ativos

Representa o retorno que o ativo total empregado oferece. Utilizado geralmente para determinar o retorno que uma empresa dá.

ROI=Lucro líquido÷Investimentos
representa o retorno que determinado investimento oferece. Geralmente é utilizado para determinar o retorno de investimentos isolados. Invertendo-se a relação (ROI=Investimento÷Lucro Líquido), obtém-se o tempo necessário para se reaver o capital investido.
Há também a Rentabilidade do Ativo Total Médio ou Taxa de Retorno sobre o Ativo Total Médio ou Taxa de Retorno sobre o Investimento Total

INDICAÇÃO DE LEITURA

Pela Qualitymark Editora, há o livro "ROI de treinamento, capacitação & formação Profissional" – 2ª edição, de Cristina Gomes Palmeira
Em um ambiente organizacional de pressão constante pela redução de custos e exigência de programas de treinamento alinhados às estratégias empresariais, os profissionais de Recursos Humanos (RH) são cada vez mais requeridos por seus superiores. Frustrados, muitos não sabem por onde começar e se perguntam o tempo todo como fazer para medir o resultado de investimento em exercícios. Sem auxílio prático e teórico, em razão da escassez de publicações sobre o tema no Brasil, muitos acabam sucumbindo.
Para resolver essa questão, Cristina Gomes Palmeira, na segunda edição de ROI de treinamento, capacitação & formação profissional - Retorno do Investimento, retoma o atual tema para socorrer os profissionais de RH e transformar de vez a mentalidade daqueles que ainda não acreditam ser possível medir o retorno de investimento. Seu objetivo é auxiliá-los na árdua tarefa de se comparar os benefícios líquidos resultantes de um programa de treinamento com seus custos e, para isso, lança mão de uma série de sistemas desenvolvidos ao longo de sua atuação no mercado. Ao final, espera-se que os leitores estejam aptos a mensurar, de forma precisa, os resultados atingidos e assim provar a eficácia de seus projetos em suas corporações.
"ROI de treinamento, capacitação & formação profissional" é uma obra que contém um resumo das principais técnicas sobre retorno do investimento com casos aplicativos reais.



Notícias
VER TODAS AS NOTÍCIAS
 
Blog Corporativo: po...
Grupo LET ganha Prê...
CONARH 2010 – ..
CONARH 2010 – PE...
CONARH 2010 – Jo...

Artigos
 
Artigo de Julho / 2007
Artigo de Maio / 2007
Artigo de Março / 2007
Artigo de Fevereiro / 2007
Artigo de Janeiro / 2007
Artigo de Novembro / 2006
Artigo de Setembro / 2006
Artigo de Agosto / 2006
Artigo de Julho / 2006
Artigo de Junho / 2006

Portfolio
    Início do “vôo solo”
  Nasce a LET
  Filiais
  São Paulo
  Projeção para o futuro
 
MembroOficial:
^ acessar o site
|| ||     São inúmeras as oportunidades oferecidas pelo Grupo Let. Não perca tempo!                                                                                                                                                                                     Faça logo seu cadastro em nosso Banco de Oportunidades e Talentos.                                        
 
Webstaff  ::  www.imailer.com.br ^ NPA ^ Rh Nacional